• Junior Valverde

1 EM CADA 4 TRABALHADORES NOS EUA PENSAM EM DEIXAR O EMPREGO APÓS A PANDEMIA


Com as mudanças de hábitos e trabalho remoto impostas pela pandemia do coronavírus, muitos americanos estão reavaliando se seguirão daqui pra frente na empresa atual ou se buscarão por oportunidades que oferecem mais flexibilidade, promoções e novas perspectivas.


Em 2019, os trabalhadores nos Estados Unidos abandonaram seus empregos em taxas recorde, com especialistas em trabalho dizendo que os funcionários o fizeram para garantir os aumentos salariais e promoções que não estavam recebendo.


Então, a partir de março de 2020, o mercado de trabalho americano cortou 20,5 milhões de empregos nas primeiras semanas da pandemia do coronavírus. Agora, um ano depois, ainda há quase 7,9 milhões a menos de americanos ocupados do que em fevereiro de 2020, enquanto a força de trabalho caiu 3,9 milhões.


Com os sinais apontando para uma recuperação em muitos setores econômicos, os trabalhadores estão sentindo vontade de procurar algo novo. 1 em cada 4 trabalhadores está planejando procurar oportunidades com um novo empregador, uma vez que a ameaça da pandemia começa a diminuir na terra do Tio Sam, aponta uma pesquisa Pulse of the American Worker da Prudential Financial.


Os dados, coletados pela Morning Consult em nome da Prudential em março de 2021, incluem 2.000 adultos empregados, incluindo uma parte estatisticamente significativa de trabalhadores que estão ou trabalharam remotamente durante a pandemia.


Aqui está a razão pela qual alguns estão planejando sair e o que os empregadores devem pensar ao reter - ou recrutar - em um ambiente pós-pandemia.

Quem está saindo e por quê?


Dos 26% dos trabalhadores que planejam deixar seus empregadores após a pandemia, 80% o fazem porque estão preocupados com o avanço na carreira; enquanto isso, 72% dizem que a pandemia os fez repensar suas habilidades.


Mais da metade dos candidatos a empregos em potencial buscaram novos treinamentos e habilidades durante a pandemia, possivelmente para se preparar para mudar de emprego nos próximos meses.


Os trabalhadores que querem parar expressivamente dizem que estão procurando um novo emprego com mais flexibilidade. Na verdade, mesmo entre aqueles que não estão pensando em mudar de emprego, metade das pessoas que atualmente trabalham remotamente dizem que se sua empresa atual não continuar a oferecer opções de trabalho remoto a longo prazo, elas procurarão um emprego em uma empresa que o faça .


A proporção de pessoas que pensam em desistir e seus raciocínios não surpreende Derek Avery, pesquisador e professor de psicologia industrial/organizacional da Universidade de Houston, em entrevista à rede americana CNBC.


Segundo ele, “a noção de abandonar o navio para obter outras ofertas e aumentar seu valor de mercado tende a funcionar melhor para membros de grupos dominantes”, incluindo homens brancos, mas nem tanto para mulheres e minorias,


Já as pessoas que podem trabalhar remotamente tendem a ser brancas, com ensino superior e trabalhadores de renda mais alta. Se um local de trabalho pós-pandemia acelerar essa tendência, isso pode piorar a desigualdade de renda existente, diz Avery.

O que os empregadores deveriam estar pensando?


Até mesmo uma pessoa que considera deixar seu emprego é motivo de preocupação para o vice-presidente da Prudential Financial, Rob Falzon, e "qualquer líder" de uma organização, diz ele. Para outros empregadores, Falzon aponta três áreas de preocupação que a liderança deve considerar em suas estratégias de retenção.


Primeiro, Falzon diz que as organizações devem repensar como mantêm a cultura da empresa e ajudam os funcionários a se sentirem conectados em um ambiente remoto.


A crescente dissociação de seu empregador, especialmente no último ano, pode "tornar as pessoas mais abertas a mudanças de empregos e a receber o telefonema daquele caçador", diz ele.


Contudo, ele adverte contra recorrer a trazer todos de volta ao escritório em tempo integral. Pesquisa da Prudential indica que os trabalhadores querem continuar com seus arranjos flexíveis muito depois de os riscos da pandemia diminuírem.


A maioria deseja um modelo híbrido de trabalho, no qual dividam seu tempo entre um escritório e um local remoto. 68% dos trabalhadores acreditam que este equilíbrio é o modelo de local de trabalho “ideal”. Falzon concorda e diz que a Prudential trabalhará com esse modelo nos próximos meses.


Em segundo lugar, ele diz que a pandemia aumentou a ansiedade dos trabalhadores de que eles não estão aprendendo novas habilidades ou vendo espaço para avançar a menos que deixem a empresa, algo que há muito atormenta profissionais mundo afora.


Conforme as empresas consideram o futuro de suas ofertas de benefícios, ele diz que caminhos para aumentar as habilidades, requalificar e ser promovido devem ser considerados, o que também pode ajudar a abordar a terceira área de preocupação para os trabalhadores: resiliência financeira.


Com os trabalhadores mais capacitados para conseguir um emprego em qualquer lugar, eles buscarão empregos que paguem bem, tenham oportunidades de aprender e progredir e proporcionem benefícios que centrem o equilíbrio entre vida pessoal e profissional.


Tags: #SevenJoin #Inovação #Ideias #NovosNegócios #Empreendedorismo #Consultoria #ConsultoriaDeInovação #Intraempreendedorismo #Business #Tecnologia #MetodolodiasAgeis #GestãoEficaz #CasesDeSucesso #Crowdsorcing #EstadosUnidos #EUA #MercadoDeTrabalho #Perspectivas

6 visualizações0 comentário