• Junior Valverde

AIRTAG DA APPLE DEPENDERÁ DE 1 BILHÃO DE APARELHOS PARA OPERAR. ENTENDA O POR QUÊ


Novo gadget da Apple fará com que a gigante de tecnologia use toda sua vasta rede global de produtos para localizar aparelhos perdidos. Trata-se de um desafio que nenhum outro competir de mercado consegue realizar.


A Apple anunciou o gadget muito aguardado pelo mercado chamado AirTag. Os usuários podem anexar o dispositivo do tamanho de uma moeda a objetos de valor, como chaves ou uma mochila e, em seguida, se o item se perder, localizá-lo em um mapa ativo dentro do software Find My integrado da Apple.


Mas a característica diferenciadora mais importante do AirTag não é a tecnologia dentro do gadget de aço inoxidável. São os iPhones de outras pessoas. Isso se explica pois o AirTag não tem sinal de GPS, o que drenaria rapidamente a bateria e levantaria questões de privacidade.


Em vez disso, quando é anexado a um objeto perdido, ele envia sinais Bluetooth embaralhados. Para que esses sinais cheguem à Internet e informem a pessoa que está procurando seu dispositivo perdido, eles precisarão encontrar um iPhone que esteja ouvindo por eles.


″Usando o Bluetooth e as centenas de milhões de dispositivos iOS, iPadOS e macOS em uso ativo em todo o mundo, o usuário pode localizar um dispositivo ausente, mesmo que ele não consiga se conectar a uma rede Wi-Fi ou celular ”, explicou a Apple em uma divulgação de segurança sobre o serviço Find My.


“Qualquer dispositivo iOS, iPadOS ou macOS com‘ localização off-line ’habilitada em Encontrar minhas configurações pode atuar como‘ dispositivo localizador ’”.


O produto representa uma nova fronteira para a Apple: usar sua base instalada de mais de 1 bilhão de iPhones como infraestrutura para construir serviços que seus concorrentes não podem. Agora, os iPhones fazem parte de uma rede física em todo o mundo que procura mercadorias roubadas - mesmo que seus usuários nunca tenham comprado uma AirTag.


“O resultado final é que o AirTag é um exemplo da Apple alavancando seu ecossistema para criar um produto mais atraente do que o que está atualmente no mercado”, escreveu o fundador da Loup Ventures, Gene Munster, em um boletim informativo na terça-feira.


“Especificamente, o AirTag terá melhores recursos de navegação e descoberta, junto com uma rede de mais de um bilhão de dispositivos que pode ser utilizada para ajudar a localizar itens perdidos.”


Inscrever-se na rede Find My traz benefícios para usuários do iPhone que não compram AirTags. Muitos usuários se inscrevem porque o mesmo aplicativo pode ser usado para encontrar produtos Apple perdidos, e é fácil de fazer ao entrar em uma conta iCloud em um iPhone.


A rede Find My pode ser usada para encontrar um iPhone depois de desligado, como os ladrões costumam fazer depois de roubar um telefone. (Se o dispositivo estiver ligado, ele pode ser contatado por meio do Find My iPhone, um serviço semelhante que usa a conexão de internet do dispositivo e é anterior ao Find My rede.)


Os usuários também podem desativar a rede Find My nas configurações da Apple, embora isso signifique que eles não obtenham os benefícios da rede, como encontrar dispositivos que foram desligados ou não estão conectados ao celular ou Bluetooth. (Para fazer isso, vá em Ajustes> Seu Nome> Encontrar Meu> Encontrar Meu iPhone> e, em seguida, ative ou desative “Encontrar Minha rede”.)


Uma vasta rede global


O número de dispositivos que participam da rede é crucial para um produto como o AirTag. A Apple descreve seu serviço Find My como uma “vasta rede global” e permite que fabricantes de acessórios terceirizados também lancem produtos que o utilizem.


Se um AirTag for perdido no meio de um deserto, sem dispositivos Apple no alcance do Bluetooth, ele não poderá se conectar à internet para enviar sinais ou atualizar o mapa do usuário. Mas no meio de uma cidade americana, onde cerca de 42% das pessoas têm iPhones - mais em algumas áreas - é muito mais provável que você encontre um dispositivo que está procurando sua AirTag perdida.


O CEO da Apple, Tim Cook, descreveu anteriormente a estratégia de produto da Apple como "apenas Apple", sugerindo que, como a empresa constrói hardware, desenvolve software e executa seus próprios serviços online, pode introduzir recursos que rivais como Microsoft, Google e Samsung não podem.


Embora a Samsung e outros grandes fornecedores de smartphones tenham números semelhantes de telefones nas mãos das pessoas, eles não controlam o sistema operacional subjacente, tornando recursos como Find My muito mais difíceis de implementar amplamente de uma só vez. O AirTag da Apple depende de um recurso que nenhum concorrente pode igualar: 1 bilhão de iPhones


“Embora os Airtags sejam incrementais ao nosso modelo, não acreditamos que mesmo um lançamento bem-sucedido desse produto terá muito impacto em nossas previsões, dado o baixo preço de US$ 29”, escreveu Rod Hall, analista do Goldman Sachs, em nota na terça-feira.


Se a Apple se tornar mais hábil no uso de seus dispositivos instalados como infraestrutura sensível à privacidade, isso poderá representar uma vantagem duradoura para a empresa. A base instalada de iPhones da Apple pode se tornar especialmente importante à medida que investe pesadamente em realidade aumentada, uma tecnologia que mescla os mundos físico e digital.


Uma rede de iPhones com reconhecimento de localização pode ser usada em aplicativos de realidade aumentada, como Pokémon Go, por exemplo, para identificar onde outros jogadores estão competindo e iniciar uma experiência em grupo. Ele fornece os sensores e a conexão à Internet necessários para construir experiências digitais no mundo real sem construir novos equipamentos a cada vez.


Tags: #SevenJoin #Inovação #Ideias #NovosNegócios #Empreendedorismo #Consultoria #ConsultoriaDeInovação #Intraempreendedorismo #Business #Tecnologia #MetodolodiasAgeis #GestãoEficaz #CasesDeSucesso #Crowdsorcing #Apple #AirTag

3 visualizações0 comentário