• Junior Valverde

ESCASSEZ GLOBAL DE CHIPS JÁ COMEÇA A IMPACTAR O MUNDO REAL


Aperte o cinto! Com o avanço da tecnologia, os chips semicondutores se espalharam de computadores e carros para escovas de dente e secadoras. Mas a demanda continua superando a oferta, e as montadoras não são mais as únicas empresas a sentir o aperto.


A gravidade da escassez global de chips aumentou um grau nas últimas semanas e agora parece que milhões de pessoas serão afetadas.


Alan Priestley, analista do Gartner, disse à rede americana CNBC que a pessoa comum na rua está fadada a ser impactada pela falta de chips de uma forma ou de outra.


“Isso significará que eles não conseguirão algo ou os preços estão um pouco mais altos”, disse. A gigante de tecnologia sul-coreana Samsung disse na semana passada que a escassez de chips está atingindo a produção de televisores e eletrodomésticos, enquanto a LG admitiu que a escassez é um risco.


“Devido à escassez global de semicondutores, também estamos experimentando alguns efeitos, especialmente em torno de certos conjuntos de produtos e produção de telas”, disse Ben Suh, chefe de relações com investidores da Samsung.


“Estamos discutindo com varejistas e grandes canais sobre planos de abastecimento para que possamos alocar os componentes aos produtos que têm mais urgência ou maior prioridade em termos de abastecimento.”


O co-presidente executivo e chefe móvel da Samsung, Koh Dong-jin, disse em uma reunião de acionistas em março que há um sério desequilíbrio na oferta e demanda de chips no setor de TI. Na época, a empresa disse que poderia pular o lançamento do próximo smartphone Galaxy Note.


A LG disse que está “monitorando de perto a situação, já que nenhum fabricante pode ficar livre do problema se ele se prolongar”, de acordo com o The Financial Times. A LG não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da CNBC.


Aparelhos de uso diário em risco


A produção de processadores de margem baixa, como os usados ​​para pesar roupas em uma máquina de lavar ou torrar pão em uma torradeira inteligente, também foi atingida. Embora a maioria dos varejistas ainda consiga colocar as mãos nesses produtos no momento, eles podem enfrentar problemas nos próximos meses.


Até mesmo as empresas de lavagem de cães estão sofrendo, de acordo com o The Washington Post. A CCSI, que fabrica cabines de lavagem eletrônica de cães no vilarejo de Garden Prairie, em Illinois, foi informada recentemente por seu fornecedor de placas de circuito que os chips usuais não estavam disponíveis, de acordo com o relatório.


A empresa teria recebido um chip diferente, mas isso exigia que a empresa ajustasse suas placas de circuito, aumentando os custos no processo. “Este problema específico afeta todos os aspectos da manufatura, desde pequenas pessoas até grandes conglomerados”, disse o presidente Russell Caldwell. "Literalmente, temos campos de milho ao nosso redor ... não há muitos aqui."


Muitas empresas - principalmente aquelas na China que foram atingidas por sanções - estão aumentando seus estoques de chips em demanda para tentar sobreviver à tempestade, mas isso está tornando os chips ainda mais difíceis de serem conseguidos por outras empresas.


Indústria automobilística segue pior atingida


O setor automotivo, que conta com chips para tudo, desde o gerenciamento de motores por computador até sistemas de assistência ao motorista, ainda é o mais atingido. Empresas como Ford, Volkswagen e Jaguar Land Rover fecharam fábricas, demitiram trabalhadores e reduziram a produção de veículos.


Stellantis, a quarta maior fabricante de automóveis do mundo, disse na quarta-feira que a escassez de chips piorou no último trimestre. Richard Palmer, o diretor financeiro da empresa criada por meio da fusão da Fiat Chrysler com a PSA, fabricante da Peugeot, alertou que a ruptura pode durar até 2022.


Algumas montadoras estão deixando de fora os recursos de ponta por causa da escassez de chips. A Nissan está suspendeu os sistemas de navegação dos carros que normalmente os teriam, enquanto a Ram Trucks parou de equipar suas 1500 picapes com um espelho retrovisor "inteligente" padrão que monitora os pontos cegos.


“A Ram parou de incluir a opção em todos os modelos Tradesman, Bighorn, Rebel e Laramie no momento devido ao fornecimento limitado de componentes eletrônicos usados ​​nesta opção”, disse um porta-voz da Ram à CNBC, acrescentando que a empresa planeja retomar a oferta da opção ainda este ano.


Em outros lugares, a Renault não está mais colocando uma tela digital de grandes dimensões atrás do volante de certos modelos. A Nissan e a Renault não responderam imediatamente a um pedido da CNBC para comentar o assunto.


As locadoras de automóveis também estão sentindo os efeitos, já que não conseguem comprar os veículos novos que desejam. A Hertz e a Enterprise, que tradicionalmente lucram com a compra de veículos novos a granel e alugando-os, teriam recorrido à compra de carros usados ​​em leilão.


“A escassez global de microchip afetou a capacidade de toda a indústria de locação de veículos de receber novos pedidos de veículos tão rapidamente quanto gostaríamos”, disse um porta-voz da Hertz à CNBC. A companhia disse que está “complementando” sua frota “com a compra de veículos usados ​​de baixa quilometragem” de leilões e concessionárias.


Um porta-voz da Enterprise disse que a escassez global de chips "impactou a disponibilidade de novos veículos e as entregas em toda a indústria em um momento em que a demanda já é alta".

Problema complexo envolvendo muitos componentes móveis


A maior fabricante mundial de chips, TSMC (Taiwan Semiconductor Manufacturing Company), disse no domingo que acha que será capaz de atender à demanda automotiva até junho. Mas Patrick Armstrong, CIO da Plurimi Investment Managers, disse que o cronograma é altamente ambicioso.


“Se você ouvir Ford, BMW, Volkswagen, todos eles destacaram que há gargalos de capacidade e eles não podem obter os chips de que precisam para fabricar os novos carros”, disse ele, acrescentando que acha que isso vai durar 18 meses .


O presidente-executivo da fabricante alemã de chips Infineon disse na terça-feira que a indústria de semicondutores está em território desconhecido. “A situação atual, onde todas as verticais estão crescendo, eu nunca vi antes”, disse Reinhard Ploss.


Ele afirmou que está "muito claro que levará algum tempo" até que a oferta e a demanda sejam reequilibradas. “Acho que dois anos é muito tempo, mas com certeza veremos chegando a 2022”, disse ele. “Acho que capacidade adicional virá ... Espero uma situação mais equilibrada no próximo ano civil.”


Aumentar a produção leva tempo. “Você não pode ir de repente a um fornecedor de chips e dizer, 'me dê um milhão de novos chips' se você não tiver feito o pedido porque há um tempo de processamento”, disse Priestley, que trabalha no provedor de serviços e tecnologia da Gartner. “Se eu fizer um pedido hoje e houver capacidade disponível, levarei três meses ou mais para obter o chip.”


Ele acrescentou que a maioria dos produtos de consumo estendeu as cadeias de abastecimento e "não começamos a ver o impacto" da escassez de chips em algumas áreas. “Se a Apple construir um novo telefone hoje, eles podem não ser vendidos até o final do ano”, acrescentou.


Enquanto isso, o problema na indústria automotiva está sendo agravado porque os fabricantes de automóveis não usam os chips mais avançados - ou de ponta -, explica Priestley.


“Eles tendem a usar chips feitos em processos de manufatura mais antigos e as empresas de chips obviamente estão adotando produtos de ponta de alta receita e não estão investindo em sua capacidade nos processos mais antigos”, disse ele.


Soberania de tecnologia


As nações agora estão sendo forçadas a pensar em como podem aumentar o número de chips que produzem. A grande maioria dos chips do mundo é feita na China, enquanto os EUA são o segundo maior produtor.


A Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia, disse que quer aumentar a capacidade de fabricação de chips na Europa como parte de um esforço para se tornar mais autossuficiente do que considera uma tecnologia crítica.


A Europa atualmente é responsável por menos de 10% da produção global de chips, embora seja 6% maior que cinco anos atrás. Ela quer aumentar esse número para 20% e está estudando investir de 20 a 30 bilhões de euros (US$ 24 a 36 bilhões) para que isso aconteça.


A gigante americana de tecnologia Intel ofereceu ajuda, mas supostamente quer 8 bilhões de euros em subsídios públicos para a construção de uma fábrica de semicondutores na Europa.


Pat Gelsinger, CEO da Intel, se reuniu com dois comissários da UE em Bruxelas, incluindo Thierry Breton, na sexta-feira passada, após uma reunião com ministros alemães no dia anterior.


“O que estamos pedindo dos governos dos Estados Unidos e da Europa é que seja competitivo para nós fazê-lo aqui em comparação com a Ásia”, disse Gelsinger, onde foi citado dizendo que estava procurando cerca de 8 bilhões de euros em subsídios.


A Intel também anunciou em março que pretende gastar US$ 20 bilhões em duas novas fábricas de chips no Arizona. “Vai demorar dois ou três anos antes de começarmos a ver isso”, disse Priestley do Gartner. “Mas isso realmente visa atender à demanda futura.”


Tags: #SevenJoin #Inovação #Ideias #NovosNegócios #Empreendedorismo #Consultoria #ConsultoriaDeInovação #Intraempreendedorismo #Business #Tecnologia #MetodolodiasAgeis #GestãoEficaz #CasesDeSucesso #Crowdsorcing #Chips #Semicondutores #Crise #Oferta #Demanda #Tecnologia

3 visualizações0 comentário