• Junior Valverde

NETFLIX SEGUE NA LIDERANÇA DESDE O INÍCIO DA GUERRA MUNDIAL DE STREAMING


Desde que teve início a guerra dos streamings com o surgimento do Disney+, entre outros serviços de diversas emissoras ao redor do mundo, a Netflix permanece na liderança. A resposta é simples: os consumidores querem mais do que nunca os conteúdos originais da empresa.


A suposta trama das guerras de streaming é a seguinte: cansada de perder clientes e valor de mercado relativo para a Netflix, a grande mídia fez a transição de seus antigos negócios focados na televisão para se concentrarem em serviços de streaming por assinatura.


Não há uma data exata de início para essas "guerras", mas em 12 de novembro de 2019, a Disney lançou o Disney +, dando início ao ataque da mídia tradicional ao Netflix.


Desde então, o HBO Max da AT&T, o Peacock da Comcast NBCUniversal, o Paramount + da ViacomCBS, o Discovery + da Discovery e o AMC + da AMC Networks ganharam vida como concorrentes da Netflix.


Neste cenário, quem é o grande vencedor nesta competição? A resposta é Netflix.

Desde o dia do lançamento da Disney +, as ações da Netflix subiram mais de 87%. Isso atrapalha os ganhos de todas as outras empresas de mídia durante o mesmo período.


A Netflix está programada para divulgar os lucros do primeiro trimestre amanhã (21/04), após o fechamento do pregão em Wall Street. Os analistas esperam lucro de US$ 2,97 por ação, um aumento de 89% em relação ao ano passado, sobre uma receita de US$ 7,13 bilhões, um aumento de 24%.


Netflix é a base


O salto no valor de mercado anda de mãos dadas com acréscimos de assinantes de arregalar os olhos durante a pandemia do coronavírus. No primeiro semestre de 2020, a Netflix adicionou 37 milhões de novos clientes globais. Foi um ganho recorde para a empresa, cuja alta anual anterior era de 28,6 milhões em 2018.


Vários americanos acreditam que a Netflix tem o melhor conteúdo original entre os serviços de streaming, de acordo com uma pesquisa recente do Morgan Stanley. Trinta e oito por cento dos entrevistados escolheram a empresa como a número um entre os streamers - ultrapassando de longe a segunda (o Amazon Prime Video com 12%).


Embora as guerras de streaming oferecem aos consumidores mais alternativas para a Netflix, elas também consolidam a empresa de Reed Hastings como um produto âncora em muitos lares dos EUA.

Se o streaming de vídeo é agora - ou em breve será - a peça central do entretenimento doméstico, assumindo até o lugar da TV a cabo, a Netflix quase certamente fará parte da dieta típica de conteúdo doméstico.


A Netflix gasta mais do que todos os outros serviços de streaming em conteúdo e já tem mais de 200 milhões de assinantes globais. Ter esse tipo de alcance global é um grande ponto de venda para criadores que têm uma lista crescente de parceiros de distribuição.


“Nossa estratégia é simples: se pudermos continuar a melhorar a Netflix todos os dias para melhor agradar nossos membros, podemos ser sua primeira escolha para streaming de entretenimento”, escreveu a Netflix em sua carta aos acionistas de janeiro.


“O ano passado é uma prova dessa abordagem. Disney + teve um primeiro ano massivo (87 milhões de assinantes pagos!) E registramos o maior ano de crescimento de assinaturas pagas em nossa história. ”


As guerras de streaming geraram muitas novas competições para a Netflix. Mas a mudança maior tem sido mais existencial - inaugurando o streaming de vídeo como a forma dominante de televisão enquanto a importância da TV a cabo lentamente desaparece.


A consequência dessa mudança é que os consumidores desejam a Netflix mais do que nunca.


Tags: #SevenJoin #Inovação #Ideias #NovosNegócios #Empreendedorismo #Consultoria #ConsultoriaDeInovação #Intraempreendedorismo #Business #Tecnologia #MetodolodiasAgeis #GestãoEficaz #CasesDeSucesso #Crowdsorcing #Netflix #Streaming #Disney #ABC #CNNGo #Televisão

6 visualizações0 comentário