• Junior Valverde

RESPEITANDO O DIREITO À PREGUIÇA, MERCADO DE ALIMENTOS ON-LINE DEVE SE CONSOLIDAR


Empresas de alimentos apoiadas por empreendimentos já arrecadaram mais de US$ 10 bilhões até agora em 2021. Na Europa e até no Brasil, várias startups criaram “dark stores” que agora prometem entregar mantimentos em menos de 10 minutos. O mercado está se tornando cada vez mais congestionado e alguns especialistas dizem que uma onda de consolidação está se aproximando rapidamente.


Startups que prometem mantimentos entregues em sua porta em questão de minutos são a mania mais quente para os capitalistas de risco no momento. Os investidores despejaram bilhões de dólares em empresas de entrega de alimentos sob demanda - algumas das quais com apenas um ano de idade - depois que a pandemia do coronavírus acelerou uma mudança em direção às compras on-line.


Empresas de alimentos financiadas por empreendimentos já arrecadaram mais de US$ 10 bilhões até agora em 2021, de acordo com dados da Pitchbook, superando os US$ 7 bilhões levantados por tais empresas no ano passado.


Nos EUA, a Instacart foi avaliada em US$ 39 bilhões em uma rodada de financiamento de março, enquanto Gopuff levantou fundos em uma avaliação de US$ 8,9 bilhões. Enquanto isso, na China, Xingsheng Youxuan levantou colossais US$ 3 bilhões este ano, a maior rodada de financiamento para uma startup de mercearia até hoje.


A mania se espalhou pela Europa no ano passado, com uma série de aplicativos de mercearia ganhando força anunciando entregas em 10-20 minutos: Getir, Gorillas, Weezy, Flink, Zapp e Dija, para citar apenas alguns. No Brasil, o app ZéDelivery da Ambev também está criando "dark stores" para agilizar as entregas em regiões com grandes quantidades de consumo.


As chamadas "dark stores" (lojas escuras, em português) são pequenos centros de distribuição onde os itens são recolhidos e entregues por transportadores.


Esta semana, a empresa tcheca Rohlik - que oferece entrega de compras em duas horas - arrecadou US$ 120 milhões a um valor de mercado de US$ 1,2 bilhão. Tomáš Čupr, CEO e cofundador de Rohlik, disse que a empresa de sete anos é "totalmente lucrativa" em seu mercado doméstico


“Você viu muitos players nos EUA e alguns na Europa realmente lutando contra a pré-pandemia, e então, obviamente, quem fez compras online durante a pandemia estava indo bem”, disse o executivo.


“Agora a questão permanece: quanto disso vai durar?”, questionou. “Estamos bastante confiantes porque crescemos maciçamente antes da pandemia; pensamos que após a pandemia faremos o mesmo. ”


‘Grosseiramente desproporcional’


O mercado de entrega digital de mantimentos está se tornando cada vez mais lotado, e alguns especialistas em varejo dizem que uma onda de consolidação está se aproximando rapidamente.


“A quantidade de dinheiro que está sendo investida nesta oportunidade é grosseiramente desproporcional ao tamanho da oportunidade”, disse Luke Jensen, CEO da Ocado Solutions, uma unidade da Ocado, pioneira em tecnologia de supermercados do Reino Unido. “Suspeito que haverá inevitavelmente muita consolidação entre essas companhias”, acrescentou.


Grandes nomes da tecnologia, como Amazon e gigantes do varejo, podem estar entre os compradores em potencial, disseram os especialistas. Os novos participantes do setor de entrega de alimentos oferecem aos clientes uma “troca”, disse Jensen: pague um prêmio de 30-40% sobre os preços do supermercado pela conveniência da entrega rápida.


Mesmo durante o bloqueio restrito da Covid em janeiro no Reino Unido, apenas 16% das vendas de alimentos do país foram online, de acordo com a Nielsen, embora isso tenha sido um recorde. Os fundadores e investidores de tecnologia dizem que representa uma grande oportunidade para aumentar a penetração online.


Mas Jensen disse que as startups de supermercados estavam competindo principalmente com lojas de conveniência, em vez de grandes supermercados, o que significa que já estão visando uma pequena fatia do mercado.


Vantagem do pioneiro?


Getir, da Turquia, chegou cedo à mania de entrega rápida de alimentos. Fundada em 2015, a empresa recentemente se tornou lucrativa em Istambul, onde a empresa está sediada, disse o fundador e CEO Nazim Salur.


Usando a analogia de um videogame, Salur disse que Getir estava no “nível seis”, enquanto outros iniciantes mal haviam chegado ao primeiro nível.


Getir está se expandindo rapidamente na Europa e planeja lançar operações nos EUA este ano, depois de levantar novos fundos em uma rodada avaliando a empresa em US$ 7,5 bilhões.


“As pessoas têm direito à preguiça”, disse Salur, descrevendo as compras de supermercado como “uma perda de tempo para a maioria das pessoas”. “Democratizamos o direito à preguiça”, acrescentou.


Apesar do aumento da concorrência, Salur não acredita que haverá uma consolidação generalizada no mercado. Getir na quinta-feira adquiriu um concorrente no sul da Europa chamado BLOK.


“Não acho que haverá muito”, disse Salur. “Para que ocorra uma verdadeira consolidação, esses players devem ter alguma posição no mercado. Existem alguns candidatos que se apresentam aos compradores”, acrescentou. “Alguns deles vieram até nós - não vou nomeá-los - mas não há muito o que comprar.”


Dija, com sede em Londres, teria conversado sobre uma possível venda para o rival dos EUA, Gopuff, de acordo com o Business Insider na semana passada. Dija não quis comentar quando contatada pela CNBC.


Jensen, da Ocado Solutions, disse acreditar que a maioria dos aplicativos de supermercado e seus investidores ficarão "muito decepcionados em relação às expectativas exageradas".


O Ocado começou como um supermercado online sofisticado. Mais tarde, porém, a empresa passou a desenvolver software e robótica para varejistas internacionais como a Kroger venderem seus próprios produtos pela Internet.


Čupr, de Rohlik, disse que o modelo da Ocado - que depende de enormes armazéns automatizados - compromete as entregas de "última milha" ou o transporte de mercadorias até o destino final. “Não acho que algum dia precisaremos deste enorme centro robotizado”, disse ele.


O Ocado tem seu próprio concorrente para os aplicativos de entrega instantânea, o Ocado Zoom, que envia itens em menos de 60 minutos ou no mesmo dia.


Tags: #SevenJoin #Inovação #Ideias #NovosNegócios #Empreendedorismo #Consultoria #ConsultoriaDeInovação #Intraempreendedorismo #Business #Tecnologia #MetodolodiasAgeis #GestãoEficaz #CasesDeSucesso #Crowdsorcing #B2U #Universidades #Tendências #Perspectivas #Mercado #Alimentos #Aplicativos #iFood #ZéDelivery

2 visualizações0 comentário