• Junior Valverde

SAIBA O QUE OS FUNCIONÁRIOS MAIS DESEJAM PARA TRABALHAR NA SUA EMPRESA PÓS-PANDEMIA



O ano de 2020 mudou para sempre a maneira como os funcionários veem e abordam o trabalho, mas uma coisa é certa: as empresas que desejam atrair e reter os talentos devem adotar novos modelos de trabalho flexíveis e cultivar uma força de trabalho que possa projetar suas próprias carreiras.

Insights:

  • Os funcionários desejam determinar quando e onde trabalham. Eles querem trabalhar com uma equipe diversificada. Eles querem ser avaliados pelo valor que entregam, não pelo volume que entregam. E eles esperam receber o espaço e a confiança de que precisam para fazer seu melhor trabalho, onde quer que estejam.

  • As empresas que entendem e aceitam esses desejos e necessidades não só aumentarão a motivação e o envolvimento de seus funcionários existentes, mas também ganharão a atenção dos novos recrutas mais brilhantes e levarão seus negócios a novos patamares.

O ano passado acelerou a transformação digital em todos os setores. Junto com o reconhecimento universal de que funcionários resilientes são a verdadeira força vital de uma empresa, veio a compreensão de que a força de trabalho de uma empresa é crucial para a recuperação dos negócios. Isso levou as organizações a repensar completamente como atraem, retêm e gerenciam seus talentos.


A empresa de software americana Citrix queria entender quais são as atitudes atuais dos gerentes de RH e dos trabalhadores do conhecimento em relação à sua força de trabalho futura.


Para isso, conduziu um estudo batizado de "Talent Accelerator", como parte do projeto Citrix's Work 2035, um exame de um ano de padrões de trabalho globais e planos projetados para entender como o trabalho mudará e o papel que a tecnologia desempenhará para permitir que as pessoas têm o melhor desempenho.


O estudo Talent Accelerator combina pesquisas de mais de 2.000 trabalhadores do conhecimento e 500 diretores de RH em grandes corporações estabelecidas e empresas de médio porte com pelo menos 500 funcionários baseados nos Estados Unidos.


Quando o estudo foi encomendado, ambos os grupos de profissionais trabalhavam com contratos permanentes e estavam ou haviam trabalhado recentemente em casa devido às restrições da Covid-19.


Futuro da gestão de talentos

Quando se trata de como será a gestão de talentos no futuro, nosso estudo apontou três prioridades definidoras entre os trabalhadores do conhecimento:


1. A maioria dos funcionários espera opções flexíveis


De acordo com o estudo, 88% dos trabalhadores do conhecimento afirmam que, ao buscar uma nova posição, buscarão uma que ofereça total flexibilidade de horário e local. Além disso, 83% preveem que, em resposta à escassez global de talentos qualificados, as empresas irão alavancar modelos de trabalho flexíveis para alcançar candidatos adequados, não importa onde morem - ainda assim, apenas 66% dos diretores de RH sentem o mesmo. E mais:


  • 76% dos trabalhadores entrevistados acreditam que os funcionários serão mais propensos a priorizar o estilo de vida (família e interesses pessoais) em vez da proximidade com o trabalho, e buscarão empregos em locais onde possam se concentrar em ambos - mesmo que isso signifique um corte no pagamento.

  • 83% dos funcionários pensam que os trabalhadores terão mais probabilidade de se mudar das cidades e outras localidades urbanas se puderem trabalhar remotamente na maior parte do tempo, criando novos centros de trabalho nas áreas rurais.

Para se posicionar para vencer no futuro, as empresas precisarão encontrar os funcionários onde eles estiverem.


2. Os funcionários querem repensar como a produtividade é medida


No futuro, as empresas precisarão repensar a forma como medem a produtividade, porque as métricas tradicionais - e as visões de que o trabalho real não pode ser feito fora do escritório - não vão mais funcionar.


De acordo com o estudo, os funcionários de hoje querem ser medidos pelo valor que entregam, não pelo volume. E eles esperam receber o espaço e a confiança de que precisam para fazer seu melhor trabalho, onde quer que estejam.


  • 86% dos funcionários disseram que prefeririam trabalhar para uma empresa que prioriza resultados em vez de produção. O que isto significa? Os novos funcionários querem trabalhar para uma empresa que se preocupa menos com a produção de trabalho qualificado que são capazes de produzir e mais com o impacto que podem oferecer aos negócios em um sentido holístico.

  • Mas há uma lacuna aqui, com apenas 69% dos diretores de RH dizendo que sua empresa atualmente opera dessa forma, e apenas metade dos diretores de RH dizendo que sua organização seria mais produtiva como um todo se os funcionários sentissem que seu empregador/alta administração confiou neles para fazer o trabalho sem monitorar seu progresso.

As empresas com visão de futuro se concentrarão em preencher essa lacuna e criarão experiências centradas nas pessoas que deem aos funcionários o espaço de que precisam para desbloquear todo o seu potencial e entregar resultados transformadores.


3. Os funcionários desejam trabalhar com uma equipe diversificada


Algo com o qual funcionários e gerentes parecem concordar? Os funcionários querem trabalhar para uma empresa que prioriza a diversidade.

  • 86% dos funcionários e 66% dos diretores de RH afirmam que uma força de trabalho diversificada se tornará ainda mais importante à medida que funções, habilidades e requisitos da empresa mudam com o tempo.

  • Métricas honestas e acessíveis sobre o seu progresso de diversidade e lacunas restantes são essenciais para garantir que os esforços para construir uma equipe diversificada sejam mensuráveis, direcionados e impactantes.

Reflexão para as lideranças

Quais devem ser as principais conclusões para os líderes de negócios no que diz respeito às implicações dessas descobertas?


1. Veja a floresta por entre as árvores.


Sem a restrição de localização, os líderes empresariais devem olhar para seu recrutamento de uma perspectiva mais ampla e expandir o potencial para atrair funcionários que podem impulsionar a criatividade e a produtividade de uma organização.


Eles podem, por exemplo, mergulhar em piscinas inexploradas de talento, como a "força doméstica" e trazer de volta pais que colocaram suas carreiras em espera para cuidar dos filhos ou pessoas que deixaram o emprego para cuidar de parentes idosos.


Também pode significar olhar para os "baby boomers" que se aposentaram, mas que ainda querem trabalhar algumas horas por semana. E pode significar recrutar mais trabalhadores de meio período, contratados e de trabalho - que constituem uma porcentagem maior da força de trabalho do que nunca - para assumir mais horas. E, claro, significa procurar talentos globais que possam residir em qualquer lugar.


2. Priorizar a aprendizagem e o desenvolvimento.


Novos modelos de negócios desencadeados pela pandemia e mudanças nas preferências e necessidades dos clientes deram origem a novas funções e oportunidades para as empresas - e seus funcionários - crescerem. Upskilling e reskilling serão fatores críticos para capitalizar sobre eles. Como o estudo descobriu:

  • 82% dos funcionários e 62% dos diretores de RH acreditam que os trabalhadores precisarão aprimorar suas habilidades atuais ou adquirir novas pelo menos uma vez por ano para manter a vantagem competitiva em um mercado de trabalho global.

  • Os diretores de RH acreditam que garantir que uma organização tenha a mais recente tecnologia colaborativa para permitir o aprendizado ágil é o fator mais importante para recrutar e reter os melhores talentos, e 88% dos funcionários confirmam essa noção, dizendo que procuram isso quando procuram por uma nova posição.

Vale a pena repetir: as organizações precisarão priorizar a requalificação e a qualificação para atrair e reter os talentos de que precisam para fazer seus negócios crescerem. Aqueles que o fizerem não apenas aumentarão a motivação de seus funcionários existentes, mas também ganharão a atenção dos novos recrutas mais brilhantes e se posicionarão para emergir da pandemia não apenas onde estavam, mas em uma posição melhor e mais forte para seguir em frente.


O ano passado mudou para sempre a maneira como os funcionários veem e abordam o trabalho, mas uma coisa é verdadeira: as empresas que desejam atrair e reter os talentos de que precisam para progredir devem compreender as principais prioridades de sua força de trabalho futura.


Eles devem adotar novos modelos de trabalho flexíveis e cultivar uma força de trabalho que possa projetar suas próprias carreiras. Ao fazer isso, eles não apenas aumentarão a motivação e o engajamento de seus funcionários existentes, mas também ganharão a atenção dos novos recrutas mais brilhantes e levarão seus negócios a novos patamares.


*Artigo de Tim Minahan publicado pela Harvard Business Review

**Tim Minahan é vice-presidente executivo de negócios da Citrix, onde desempenha um papel proativo em ajudar a impulsionar iniciativas estratégicas focadas e a estratégia geral de negócios da empresa. Além disso, ele lidera as operações para a visão da empresa de fornecer com segurança os aplicativos e dados mais importantes do mundo para permitir que pessoas e empresas trabalhem melhor.


Tags: #SevenJoin #Inovação #Ideias #NovosNegócios #Empreendedorismo #Consultoria #ConsultoriaDeInovação #Intraempreendedorismo #Business #Tecnologia #MetodolodiasAgeis #GestãoEficaz #CasesDeSucesso #Crowdsorcing #Harvard #HarvardBusinessReview #Carreiras #MundoCorporativo #RecursosHumanos #Tendências #Perspectivas

4 visualizações0 comentário